How cannabis could unlock $7 billion for South Africa’s economy

August 26, 2019

SOUTH AFRICA could unlock a $7bn cannabis industry if government passes the necessary regulations to make it happen.

The figure was put forward by international experts at a conference held in Sandton last week.

According to the United Nations, South Africa is already the third-largest producer of marijuana and related products (hemp, oils, etc) on the African continent, producing 2,300 tons of the plant annually.

Only 3.5 percent of the population consume the product, the international body said, leaving the bulk of it ready for export to major cannabis consuming (and by-product) markets.

However, to do so, the South African government needs to pass the necessary laws.

Government is currently still working on regulations around the private use of cannabis, after the courts ruled that the act was protected under the constitution in September 2018.

The Constitutional Court gave government two years (from the date of the ruling) to bring the country’s laws around cannabis use in line with the constitution.

Legislation around cultivation remains unclear, however.

The government has de-scheduled some types of cannabis health products, with conditions, making them easier to get hold of.

Cannabis products considered to be health supplements are those containing a daily dose of less than 20mg cannabidiol (CBD), as well as those containing less than 0.001 percent of THC, or less than 0.0075 percent CBD.

These products may be bought and sold relatively freely as a result of the exemption published in the Government Gazette on 23 May 2019.

In May and June of this year, both the Western Cape and Eastern Cape governments revealed plans to make the provinces the headline destinations for the country’s cannabis industries, pending favourable regulatory outcomes.

Both these provinces have been identified as having the ideal conditions for cannabis cultivation in the country, with proposals and feasibility studies already underway.

However, until the many grey areas in the regulation of cannabis have been clarified, the basic legal position on cannabis in South Africa is as follows:

You may use it for your personal recreational or medicinal use, alone or with friends and family over the age of 18, in spaces not open to groups other than your own.Grow only as much as necessary for your personal use; where unsure, rather be conservative.Other than in the case of specific health supplements and processed hemp fibre detailed above, buying and selling cannabis or any cannabis-containing product is currently not legally permissible.

Source: https://africabriefing.org/2019/08/how-cannabis-could-unlock-7-billion-for-south-africas-economy/

Promoting African tourism.

August 24, 2019

Tourism has, over the past six decades, experienced continued expansion and diversification, becoming one of the largest and fastest-growing economic sectors in the world, turning it into a key driver of socio-economic progress through export revenues, the creation of jobs and enterprises, and infrastructure development.

The increasing importance of this sector cannot be overstated.

According to the World Tourism Organisation, international tourist arrivals worldwide will reach 1.8 billion by 2030, indicating an increase of 3.3 per cent a year from 2010. Between 2010 and 2030 arrivals in emerging destinations such as Ghana are expected to increase at double the pace of that in advanced economies by 4.4 per cent a year.

However, these forecasts do not necessarily mean that tourists will descend on Ghana like the biblical manna from heaven. The competition to attract tourist traffic is fierce. Countries like South Africa, Kenya, Zimbabwe, Zambia and Tanzania –  already popular holiday destinations –  have, over the years, embarked on relentless marketing strategies to woo even more tourists. Some like Kenya and Zimbabwe have dedicated tourist offices in parts of Europe, North America and Asia. These strategies have focused on their natural resource of game parks and safaris in which they have a comparative advantage.

I have had the good fortune to travel to many of Africa’s tourism hotspots and experienced their breath-taking beauty and exciting attractions. Ghana cannot compete with them but offers something unique – its cultural heritage. Its major slave forts are Unesco World Heritage Sites.

These slave forts are a ‘must-see’ for every tourist visiting Ghana, especially the African-Americans.  President Barack Obama, on his trip to Ghana – his first to Africa as president – in July 2009, visited the Elmina Castle with his family. Earlier this month, US Senate Speaker Nancy Pelosi described as a ‘transformative experience’, the time spent in Ghana’s coastal city of Cape Coast and its slave fort, saying it was revealing not only for her but for the Congressional team she led to the site.

It’s 400 years since the first African slaves were taken from countries like Ghana to mainland America, marking the start of the trans-Atlantic slave trade route. This timing is based on the first recorded landing of a ship carrying Africans in Virginia in August 1619.  An estimated 75 percent of slave dungeons on the west coast of Africa were in Ghana — millions of people were taken and transported on ships that departed from Ghanaian ports.

To commemorate this Ghana has designated 2019 as the Year of Return. The government has been running a massive marketing campaign targeting African-Americans and the diaspora, and various events have been arranged. The focus has been on memorialising the liberation from slavery. But it has also served as a marketing exercise to popularise Ghana as a tourism destination with Trans-Atlantic trade appeal.

But visiting Ghana is not just about slave forts. Beyond these lie the comparative advantage of an extraordinarily rich cultural heritage.

Ghana is a country whose immense cultural diversity is thrilling and fascinating, particularly the central role played by festivals. Barely a week or month goes by without a festival being celebrated by one of the 100 or so ethnic groups up and down the country.

In addition to this, rites and rituals are performed throughout the year covering key events like harvests, child-birth, puberty, marriage and death. To the majority of people, these celebrations provide the satisfying bond that binds their communities and families together.

Such festivals are also full of colour, pageantry and rhythm, the latter provided by traditional drummers.

By exposing western visitors to Ghana’s vibrant culture, just like the Masai of Kenya, we can also educate them about the country’s history and how democratic structures existed from clan to chiefdom levels long before the advent of colonialism.

Although statistics on cultural tourism are not readily available, various surveys indicate that culture is one of the reasons why people choose to travel. Ghana’s authorities are well aware of their country’s immense cultural wealth. That is why they must effectively market it for the benefit of the nation.

When some of the most well-known faces from the African diaspora arrived for a vacation in Ghana’s capital, Accra last December, it looked like just another gathering of famous people.

Actors including Idris Elba rubbed shoulders with supermodel Naomi Campbell, TV sports presenter Mike Hill, and author Luvvie Ajayi.

Behind this meet-up of box office stars, fashion royalty and top creatives is a focused and ambitious strategy to make Ghana a major tourist destination.

The country recently unveiled a 15-year-long tourism plan that seeks to increase the annual number of tourists to Ghana from one million to eight million per year by 2027.  Ghana’s travel industry is projected to raise $8.3 billion a year by 2027, plus associated benefits, according to the plan.

https://panafricanreview.rw/amp/analysis/promoting-african-tourism/

Jon Offei-Ansah is the Founder and Publisher of Africa Briefing, the London-based pan-African newsmagazine (https://africabriefing.org)

UK aid to break down barriers for female entrepreneurs in Africa

August 26, 2019

THE UK is to provide £30 million in aid to empower female entrepreneurs and businesswomen across Africa. The aid will provide business advice, training and financial support to back women-led businesses supporting economic growth across the continent.

A statement released over the weekend by the Department for International Development (DfID) said an equal role for women in the economy is essential to sustained growth and will help lift millions out of poverty. Experts estimate that advancing economic equality globally could add $12 trillion (or 11 per cent) to the global Gross Domestic Product (GDP).

The amount will go towards the Affirmative Finance Action for Women in Africa (AFAWA) programme run by the African Development Bank.

The statement added that despite having the highest concentration of female entrepreneurs in the world, women in a number of African countries face greater barriers to starting their own businesses than their male peers. This is because women often find it harder to access further education, get business loans, sign contracts and own property based on their gender.

Increased funding through UK aid will incentivise African banks across the continent to lend to women by reducing the costs, while providing expert training to female entrepreneurs in essential skills to make their businesses a success.

Research shows that women typically reinvest up to 90 per cent of their income in the education, health and nutrition of their family and community, compared to 40 per cent for men. This means that investing in female-led businesses can transform societies as well as women’s lives.

By leveraging the economic potential of tens of thousands of women, the UK aid will:

  • Provide up to 10,000 budding female entrepreneurs with essential training and mentoring to help them better manage their businesses, including marketing, financial and business planning.
  • Start partnerships with up to 30 banks across Africa, helping to bring down the cost and incentivise lending to thousands of women.
  • Transform women’s job opportunities and boost African economies to help countries become our trading partners and build their future beyond aid.

International Development Secretary Alok Sharma said: ‘Every woman deserves the same opportunities as her male peers to start and build a business. But this is not just about equal opportunities. By breaking down barriers and unleashing the potential of women across Africa, UK aid is supporting the private sector to thrive, helping nations across the continent to increase economic growth and shape their own future beyond aid.

‘By investing in the economic empowerment of African women, we are investing in ending poverty, and in developing Britain’s trading partners of the future.’

The UK aims to be the biggest G7 investor in Africa by 2022. The announcement builds on the UK’s existing partnerships with African nations to create mutual trade and investment opportunities, ahead of the UK-Africa Investment Summit which is due to take place in London next year.

Source: https://africabriefing.org/2019/08/uk-aid-to-break-down-barriers-for-female-entrepreneurs-in-africa/

Arrests could hamper Mozambique LNG funding

The impoverished country still faces scrutiny over its ability to handle multi-billion-dollar projects

High profile arrests in early January related to Mozambique’s “hidden debts” scandal, made at the request of US prosecutors, are an unsettling reminder that the country still faces questions over its financial credibility. It is something those trying to fund LNG projects based on the massive gas reserves of the Rovuma basin could do without.

In early January, former finance minister Manuel Chang was arrested in South Africa, three former Credit Suisse Group bankers were arrested in London and one executive of Lebanese shipbuilding group Privinvest was detained in New York. They face charges in the US linked to a long-running fraud investigation of $2bn in loans to Mozambican state-linked companies.

The three loans, to Ematum, Proindicus, and Mozambique Asset Management (Mam), were taken out in 2013 and 2014; the existence of Proindicus and Mam was successfully kept secret until 2016. The loans were nominally to buy fishing and maritime security packages from Privinvest, but attracted allegations of corruption and kickbacks. They pushed Mozambique into default on its international debts and stalled its economic development.

US prosecutors allege that the defendants duped American investors into buying parts of the debt contracted for corrupt purposes — which Mozambique was unlikely to pay back. They also allege that transactions routed through US banks violated US and Mozambican anti-corruption legislation.

“Pre-resource curse”

Until the arrests, the government had sought to justify the debts. It has insisted that it will pay them back, once it starts receiving the revenues from the LNG projects.

But such claims underline the feeling that Mozambique has fallen prey to the so-called “pre-resource curse”, by spending anticipated resource revenue on questionable and possibly corrupt undertakings on the expectation of revenues from yet-to-be-built extractive projects.

One possible side-effect of the scandal is that Mozambique could have difficulties maintaining progress with the gas projects. Raising tens of billions of dollars in project financing — part of which needs to be raised by national oil company ENH — in a country which is in international default is not easy.

Under the circumstances, getting one gas development — the Eni-led Coral South Floating LNG project — to a financial close in 2017 was a major achievement, even if ENH was carried financially by its partners in that case.

However, ENH does need to fund its share of developments relating to two onshore LNG projects — Area 1, operated by US independent Anadarko, and Area 4, operated by ExxonMobil (midstream) and Eni (upstream). Opinion is divided on how the arrests and the prospect of a high-profile trial in New York might affect their financing.

Ed Hobey-Hamsher, senior Africa analyst at risk consultancy Verisk Maplecroft, thinks the arrests highlight Mozambique’s lack of financial credibility, making it harder for ENH to acquire the necessary financing to secure its 10pc stakes in the offshore fields. This will in turn “increase the likelihood of delays to the FID and to LNG revenues coming online”, he said in a briefing note on the arrests.

Other voices argue that the US legal case could amount to a “clearing of the decks” for Mozambique, and strengthen the hand of financiers trying to convince credit committees that Mozambique is a bankable prospect. Being able to point to a credible, continuing legal process to clear up the mess could go some way to restoring confidence in Mozambique’s financial probity, they argue.

SPAs stack up

But, whatever the ramifications of the hidden debt, neither LNG project is likely to be derailed by it. The main delays to the projects to date have not been due to the farrago, instead related largely to other factors.

In the case of Anadarko’s project, it needs to firm up offtake agreements. ExxonMobil, meanwhile, needs to reach a final agreement with the government. Both milestones are in sight.

Anadarko is understood to be very close to having sale and purchase agreements (SPAs) in place for 9mn t/yr of its 12.88mn-t/yr Area 1 project — the figure it requires to take FID and finalise financing agreements.

The company has had little to announce formally to the market, but, according to a recent report by brokerage Poten & Partners, it has recently added a 2mn-t/yr SPA with Shell, and a 1mn-t/yr SPA with Indonesia’s Pertamina, to deals already signed with Japan’s Jera (1.2mn t/yr), Tokyo Gas and the UK’s Centrica (2.6mn t/yr jointly), and India’s Bharat Petroleum (1mn t/yr).

That would bring the total to just under 8m t/yr, but with discussions in progress with China’s Cnooc for 1.5mn t/yr and Thailand’s PTT for 2.6m t/yr, the project may soon be ready to progress.

Area 4 close to FID?

For Area 4, ExxonMobil announced in early January that its project had secured sufficient LNG offtake commitments from affiliated entities of its consortium partners — Eni, China’s CNPC, Portugal’s Galp and South Korea’s Kogas, as well as ExxonMobil — to “provide a solid foundation for securing project financing”. The agreements “are subject to the conclusion of fully-termed agreements, which will be finalised and initialled in the next weeks, and the approval of the government of Mozambique,” ExxonMobil says.

The statement stopped short of saying that the offtake commitments were enough to proceed to FID. However, unlike Anadarko’s Area 1, the Area 4 project is still awaiting government approval for its plan of development (POD), before a decision can be made. ExxonMobil hopes to get the POD approval by April.

During Q4 2018, the ExxonMobil-led consortium was asked by Mozambique’s petroleum regulator to revisit commitments made in its POD regarding its domestic gas allocation, its plans to use local content on the project, and the unitisation agreement for the reserves in the Mamba-Prosperidade field, which straddles Areas 4 and 1.

Carlos Zacarias, chairman of petroleum sector regulator INP, told Mozambican newspaper O País in December that the POD had failed to meet various requirements. INP has since said that ExxonMobil had submitted a revised POD.

ExxonMobil needs 21-22 tn ft3 of gas for its onshore LNG project, of which 5 tn ft3 would come from the Coral South field (which is already feeding the FLNG project), and 16-17tn ft3 is due to come from the neighbouring Mamba-Prosperidade field, according to the newspaper. However, the existing decree law only allocates it 12tn ft3 from Mamba-Prosperidade initially.

A unitisation agreement announced by Anadarko and Eni in 2015 — before ExxonMobil joined Eni’s project — should have guided how the Area 1 and Area 4 consortiums could extract additional gas volumes from the Mamba-Prosperidade field beyond the initial 12tr ft3 each. However, three years later the Mozambique government has still not signed off on that deal, for reasons which remain unclear.

Domestic supply row

Anadarko also has some challenges to overcome, notably regarding domestic gas allocation.

A recent conference produced a high-profile clash between Anadarko and Shell, which is pushing for the government to secure enough gas in the first phase of the projects to allow it to go ahead with a gas-to-liquids plant. However, Anadarko’s POD has been approved and it knows the government is keen for the project to move ahead.

ExxonMobil also faces similar pressure, and could be more vulnerable to calls to increase gas supply to the domestic market, until its POD is formally approved.

Away from the Rovuma projects, Qatari investment in ExxonMobil’s exploration blocks in the Angoche Basin and Zambeze Delta, will be a welcome show of support for the Mozambican authorities. The three blocks, in which hopes of oil discoveries are high, are now run by a consortium of ExxonMobil (50pc), ENH (20pc), Russia’s Rosneft (20pc) and Qatar Petroleum (10pc).

Tom Bowker

Maputo12 February 2019

Imunidade na Terra e no mar do atum

Novos desenvolvimentos revelam que a comissão de direitos humanos vai lidar com a extradição de Manuel Chang, ex-ministro das Finanças de Moçambique, enquanto a economia continua a sangrar de um enorme escândalo de dívida envolvendo classe política e bancos internacionais.

O crescimento estagnou enquanto a inflação aumenta, no final as pessoas pobres estão a pagar um preço alto pelas decisões tomadas pela elite política.

De acordo com analistas financeiros, o polêmico escândalo de aquisição naval do país sul-africano em 2013 foi o que lançou Moçambique numa profunda crise financeira.

Na época, o governo começou a usar US $ 2 bilhões para um projeto em torno da pesca de atum e da segurança marítima.

Esse montante equivale a cerca de um terço do orçamento nacional e violou os compromissos de dívida assumidos com o FMI nesse mesmo ano.

Incidentalmente ou não, os empréstimos foram arranjados pelo Credit Suisse Bank e pelo  VTB capital.

O governo contratou os construtores navais do Oriente Médio, Privinvest e outros, para fornecer uma variedade de embarcações de pesca e defesa, ou o contrário, ainda precisa ser determinado.

A Privinvest trabalhava com parastatais  criados propositadamente, incluindo a Mozambique Asset Management (MAM), a Prolndicus e a empresa Mocambicana de Atum (Ematum).

Numa ação de 47 páginas apresentada num tribunal dos Estados Unidos, surgiram detalhes sobre como o homem à frente da Privinvest, Boustani e banqueiros prejudicaram a economia em recuperação de Moçambique.

Numa série de e-mails revelados na acusação, os cúmplices casualmente orquestraram projetos marítimos para enriquecer e subornar funcionários como Chang, que serviu como ministro das Finanças por uma década.

A investigação, liderada pelos EUA, revelou um projeto de como o desenvolvimento desesperadamente necessário poderia ser explorado por banqueiros internacionais inescrupulosos e empreiteiros gananciosos, culpando os políticos locais. Investigações do FBI revelaram que quantias extraordinárias de fundos dos EUA estavam a ser transferidas de e para as contas desses políticos.

Na vizinha Angola, a Privinvest também foi negativamente mencionada em negócios similares envolvendo pesca e consultoria do estaleiro naval alemão (propriedade da Privinvest) para atualização de base.

A empresa teria fornecido navios de pesca e navios de patrulha naval de alta tecnologia para Angola, com o país a gastar até 20% de seu orçamento total em 2016 pelo Ministério da Defesa. E no ano passado, por 159.900.000 Euros, foram encomendados 3 aviões militares C295 Airbus para segurança marítima. Uma capacidade de 11 horas no ar, com capacidade de carga de 71 tropas, 50 pára-quedistas e 5 paletes (88 “x 108”) O trem de aterragem é projetado para permitir operações de descolagem e aterragem em aeródromos despreparados e curtos. “Hardpoints underwing” são fornecidos para transportar os sistemas de armas, bem como pods de reconhecimento / jamming e luzes de busca. O C295 tem até seis pontos blindados abaixo da asa para sistemas de armas. Os pontos blindados podem conter torpedos, mísseis anti-superfície, minas e cargas de profundidade. Uma variante também pode incluir um lançamento de torpedo.

O país tem sido vítima de corrupção e má gestão de recursos públicos, sempre caracterizado pela governação do Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA) onde João Lourenço foi secretário-geral do partido de 1998 a 2003 e também governador em várias províncias de Angola. Em 2008, ele tornou-se presidente da Assembleia Nacional até 2014 e a partir de 2014, ele foi o ministro da Defesa ate 2017.

A transparência limitada em Angola, particularmente no setor do petróleo e mineração, tem atraído o escrutínio do Ocidente e as ONGs, mas certamente as companhias internacionais de petróleo, nunca foram questionadas. Tendo como exemplo Moçambique, a tentação dos bancos internacionais e terceiros é certamente incentivada e solicitada.

A luta anterior contra a corrupção do ex-presidente José Eduardo dos Santos revelou como a ascensão do vice-presidente ao poder se tornou num aparato pessoal de autocapacitação, representando uma grande ameaça à soberania do país e ao próprio presidente atual, com apenas um ano no poder.

O aparato estatal e o serviço civil, são todos usados ​​para interesses privados pelos chamados operadores privados, mascarando as suas obrigações como funcionários públicos.

Presidente João Lourenço:

Negócios, ofertas de armas e antigos fantasmas

Quando o Presidente João Lourenço compareceu no Fórum Econômico Mundial (WEF) na cidade suíça de Davos, em janeiro passado, sugeriu que os ventos de mudança estavam a soprar em Angola. A sua mensagem aos investidores era clara: as perspectivas econômicas parecem desanimadoras, mas o péssimo registo de corrupção em Angola, a dependência excessiva do petróleo e a má gestão dos fundos públicos acabou e é ele quem conduz o navio.

Enquanto esteve em Davos, encontrou-se com as principais partes interessadas, incluindo Christine Lagarde – a diretora geral do Fundo Monetário Internacional (FMI); o primeiro ministro de Portugal, Antonio Costa; e Sergey Ivanov – o diretor executivo da mineradora de diamantes da Rússia, Alrosa. No entanto, não irá participar este ano. Os ventos pararam de soprar ou o navio foi sequestrado?

Os estranhos casos do Dr. Jekyll e Sr. Hyde

O ceticismo sobre o novo presidente e as suas políticas está a crescer. Africa Confidential escreveu este mês que “sua lua de mel estava a chegar ao fim à medida que o foco público se desloca para a economia”. O professor de Economia, Justino Pinto de Andrade, da Universidade Católica de Angola, disse ao The Africa Report em setembro que duvida de que a cultura do patrocínio tenha mudado, já que Lourenço “se envolveu com as mesmas pessoas que dos Santos”. Até mesmo Marcolino Moco, que Lourenço nomeou como diretor não executivo da estatal Sonangol, em setembro de 2018, também ganhou as manchetes quando, em entrevista à Jeune Afrique, em Paris, ameaçou renunciar-se se Lourenço não cumprisse suas promessas.

O posicionamento de Lourenço como um político de origens modestas e a determinação declarada de erradicar a corrupção nos níveis mais altos está a começar a decepcionar. As figuras-chave do antigo regime continuam a ser tão influentes como nunca, apesar do aparente expurgo, durante o qual Lourenço demitiu os filhos do ex-presidente, José Eduardo dos Santos, das suas funções na Sonangol e no fundo soberano FSDEA.

A maior preocupação até agora é a proteção pública por Lourenço de Manuel Vicente, que foi diretor executivo da Sonangol de 1999 a 2012, e vice-presidente de Angola até 2017. De fato, muitos suspeitavam que Vicente – não Lourenço – seria o sucessor de dos Santos. Mas um caso criminal em Portugal contra o primeiro deteve estas ambições. Pouco antes do WEF em 2018, Lourenço criticou o procurador-geral de Portugal por acusar Vicente de suspeita de suborno e lavagem de dinheiro e exigiu que ele fosse julgado em Angola.

Especificamente, Vicente é suspeito de subornar o promotor português Orlando Figueira no valor de € 763.500 para invalidar acusações de lavagem de dinheiro contra ele em 2011. Esta investigação foi referente à compra de uma propriedade de
4 milhões de euros no Estoril, Portugal, em 2007. Vicente sempre negou irregularidades. Um mês depois do WEF, Portugal concordou com as exigências de Angola. Figueira, entretanto, foi condenado a seis anos e oito meses de prisão em dezembro de 2018. Os promotores portugueses disseram em sua sentença que era ‘evidente que Vicente […] foi o proprietário da Portmill Limited e da Portmill Limitada‘, duas empresas no epicentro do caso e nas quais Vicente detinha participações. Segundo a imprensa portuguesa, o procurador geral de Angola disse que Vicente poderá responder às acusações cinco anos após o término de seu mandato, que será em 2022.

Embora Vicente já não esteja mais no governo, continua sendo um aliado bem próximo tanto de Carlos Saturnino, novo presidente da Sonangol, como de José de Lima Massano, presidente do Banco Central de Angola (BNA) – desde outubro de 2017, quando foi nomeado por dos Santos. E, conforme um artigo do Financial Times de setembro passado, Vicente continua a ser conselheiro de Lourenço.

Além disto, outros membros do “triunvirato” – um termo comumente utilizado para descrever os três membros mais poderosos do regime de Santos fora da família presidencial que inclui Vicente, bem como o general Manuel Hélder Vieira Dias Júnior ‘Kopelipa’ e o general Leopoldino Fragoso do Nascimento ‘Dino’ – permaneceram em funções de poder. Apesar da lei angolana proibir funcionários públicos de possuir interesses comerciais, os três admitiram ter ações da Cobalt International Energy – uma companhia petrolífera do Texas que entrou com um pedido de falência no Tribunal de Falências dos EUA em Houston em dezembro de 2017, após um acordo. No ano anterior, as concessões de venda à Sonangol caíram – segundo o Mail & Guardian em 2012. Segundo alegado, também tiveram um papel central na ruína do Banco Espírito Santo de Angola em 2014, uma subsidiária do Banco Espirito Santo em Portugal, mediante enormes dívidas que foram contraídas pela Portmill Investimentos e Telecomunicações. Mas uma série de outras investigações e publicações de meios de comunicação online respeitáveis também sugerem que detinham participações  numa série de subsidiárias e empresas offshore ligadas à Sonangol.

Kopelipa, ex-chefe do gabinete de segurança do presidente e amplamente considerado um dos homens mais ricos do país, também é casado com Welwitschia ‘Tchizé’ dos Santos, outra das filhas do ex-presidente. No ano passado, as autoridades portuguesas confirmaram a investigação de alegações contra ele referente à lavagem de dinheiro, especificamente relacionadas a transações realizadas entre 2006 e 2013 em contas offshore nas Ilhas Virgens Britânicas. Na época, Kopelipa era chefe do escritório nacional de reconstrução, GRN, encarregado de melhorar a infraestrutura. Muitos milhões de dólares norte-americanos foram gastos em projetos de construção brasileiros e chineses, e ainda assim, a rede de transportes de Angola continua abandonada em muitas partes do país. Semelhantes procedimentos ainda precisam ser confirmados em Angola, mesmo sendo Kopelipa e Dino removidos das suas funções no aparato de segurança por Lourenço.

Conexões francesas e ofertas de armas

Enquanto Lourenço assumia uma posição dura contra Portugal, as relações aqueceram-se com outra potência europeia: a França. A Total já anunciou uma série de novos investimentos no país, impulsionando o negociador suíço de commodities Trafigura, que até o ano passado detinha uma posição quase monopolista no país. Isto veio depois de Lourenço, em dezembro de 2017, criar um grupo de trabalho para rever o setor de petróleo e ‘melhorar as condições atuais de investimento na indústria de petróleo e gás’. Em janeiro de 2018, a Sonangol solicitou novas concorrências, insinuando que o longo histórico da Trafigura, porém opaco, estava provavelmente terminando. Embora os detalhes dos contratos com a Total sejam escassos, provavelmente serão equivalentes aos da Trafigura, valendo US$ 450 milhões em 2017.

Embora a Total esteja presente em Angola há muito tempo, a petrolífera francesa está a assumir agora um papel mais ativo no setor de extração no país, ressaltando sua decisão em maio de 2018 de lançar o grande empreendimento, Zínia 2 no Bloco 17, junto com várias outras grandes empresas petrolíferas, incluindo a anglo-holandesa BP e a ExxonMobil, com sede nos EUA.

Mas Angola também fez acordos com outras empresas ligadas à França. Uma delas é a Privinvest, sediada nos EAU, que em setembro de 2016 assinou um contrato com Angola no valor de 495 milhões de dólares para fornecer 17 barcos de patrulha e uma promessa de transferência de tecnologia que permitiria a construção de embarcações navais em Angola. Para isto, a Privinvest trabalharia com a Simportex – uma empresa estatal (SOE) que opera sob direção do Ministério da Defesa Angolano.

Um artigo da Africa Confidential observou em fevereiro de 2017 que o contrato tinha ‘forte semelhança’ com outro contrato que a Privinvest havia assinado com Moçambique alguns anos antes. Este acordo esta a ser julgado atualmente em tribunais dos EUA depois de Jean Boustani, um executivo da Privinvest, juntamente com outros 12, terem sido presos e acusados de conspiração por cometer fraudes e lavagem de dinheiro em dezembro de 2018 e janeiro deste ano, respectivamente. Segundo alegado, foi em cooperação com altos ex-executivos do banco suíço Credit Suisse e do banco russo VTB, que também foram acusados, suspeitos de terem facilitado pagamentos indevidos a autoridades moçambicanas e ao país para assumir mais dívidas do que poderia administrar de forma realista.

Segundo alegado, Iskandar Safa, fundador da Privinvest, esteve no centro do acordo moçambicano. O Wall Street Journal publicou em novembro de 2016 que o Credit Suisse se envolveu com contratos em 2012, quando o credor iniciou discussões com o empreiteiro de defesa Iskandar Safa, que negociou um contrato para fornecer equipamento militar e de vigilância através da sua empresa Privinvest. Nos dois anos seguintes, o Credit Suisse, juntamente com a VTB e o banco francês BNP, captaram US$ 2 bilhões em obrigações e empréstimos para empresas estatais moçambicanas, empréstimos que duplicaram mais do que a dívida garantida pelo governo de Moçambique, levando a uma série de descumprimentos. Aparentemente, ‘os lucros dos negócios foram diretamente dos bancos para a Privinvest, em vez das empresas estatais que haviam emprestado o dinheiro’, informou o WSJ.

As questões em torno do acordo angolano estão agora a começar a ganhar força. Em primeiro lugar, porque não existe um plano de negócios publicamente disponível, que possa descrever como o aparentemente grande número de barcos será ocupado pelos cerca de mil marinheiros angolanos – considerado um número baixo – e a inexperiência da marinha em construir navios. Em segundo lugar, o contrato foi assinado num momento em que as finanças de Angola são insuficientes – enquanto eram assinados sob dos Santos, Lourenço era ministro da defesa na época. Isto significa que ele provavelmente estava a par dos negócios estabelecidos por seu ministério, embora a extensão de seu envolvimento não seja clara.

Não obstante, a ordem da Privinvest substituiu outra que a Simportex havia assinado com a marinha brasileira para fornecer sete navios de patrulha da classe Macaé por US$ 170 milhões. Vale notar que os navios de Macaé são construídos no Brasil, mas projetados pela Construction Mécanique de Normandie (CMN), subsidiária francesa do Privinvest Shipbuilding Group. A CMN era a mesma empresa que forneceria embarcações navais e construiria um estaleiro em Moçambique. Na época, a Simportex era gerenciada por um colaborador próximo de Kopelipa: Luís Manuel da Fonseca de Sotto Mayor Pizarro. Além disto, foi um dos muitos outros oficiais militares promovidos ao posto de brigadeiro em setembro de 2017.

Dinheiro novo entra, enquanto a dívida cresce

Enquanto isto, continua a entrar dinheiro e crédito, já que os primeiros anúncios e ações de Lourenço para marginalizar a família do ex-presidente provavelmente alimentaram o otimismo entre investidores internacionais. Durante os dois primeiros trimestres de 2018, Angola recebeu garantias de crédito no valor de US$ 1 bilhões de bancos ocidentais, incluindo um empréstimo de US$ 700 milhões do Credit Suisse. Em maio, o BNA captou mais de US$ 2 bilhões em uma nota de Eurobond de duas parcelas com vencimentos em 10 e 30 anos. Os títulos foram assumidos, refletindo um forte otimismo quanto ao novo governo de Angola sob Lourenço. Em dezembro, o FMI finalmente aprovou uma linha de crédito ampliada de três anos, no valor de US$ 3,7 bilhões – o financista de Washington desembolsaria US$ 900 milhões – para apoiar o orçamento do governo e o programa de gastos maciços.

Isto fez aumentar o crescente montante de dívidas que Angola assumiu em 2018, muitas das quais serão eventualmente garantidas pelo governo e, como consequência, pelo contribuinte angolano. A agência de classificação de risco Moody’s Investors Service confirmou esta preocupação quando rebaixou a classificação de investimento de B2 para B3, com perspectiva estável, em abril, alertando sobre o crescente endividamento do país, que, segundo a mesma, apresentava altos riscos de liquidez a médio prazo. O FMI também notou isto na sua revisão em dezembro de 2018, quando estimou a dívida em relação ao PIB de Angola em 90%; sendo um pouco mais de 62% do PIB um ano antes.

Outros indicadores macroeconômicos ressaltam as preocupações crescentes. A admissão de novas dívidas é principalmente um reperfilamento de obrigações vencidas, ao mesmo tempo que a queda nos preços médios do petróleo em 2014 prejudicou gravemente as reservas de dólares dos EUA, essenciais para as importações e manter a estabilidade do kwanza, que o BNA fez flutuar em janeiro de 2018. Além disto, o país luta para sair de uma recessão, embora os preços do petróleo tenham recuperado nos últimos dois anos. Ainda que o Banco Mundial projete que a economia angolana cresça 1,8% neste ano, será necessária muita disciplina em nome do Ministério das Finanças para manter os gastos sob controle, a fim de evitar que o déficit volte a crescer. Além disto, a Sonangol – a vaca leiteira do governo – tem perdido persistentemente as metas de receita desde 2014, enquanto continua a assumir novas dívidas, as quais tem dificuldade em pagar.

Hora de cálculo

Se Lourenço continuar a negociar com os mesmos indivíduos e empresas que foram implicados em tais intensas investigações de corrupção coloca grandes dúvidas sobre as suas verdadeiras intenções. Mais pessoas estão a começar a questionar se as primeiras investigações de corrupção contra dos Santos foram apenas para mostrar serviço, uma vez que ninguém ainda foi julgado, e muito menos condenado. Um projeto de lei de amnistia introduzido no ano passado, que permitiu a angolanos ricos repatriarem fundos públicos roubados sem correrem o risco de qualquer processo criminal, já expirou, mas não houve relatos de tais fundos terem sido repatriados durante a amnistia no ano passado.

O envolvimento de Angola com empresas que ajudaram na espiral da dívida de Moçambique, apesar de aumentarem bastante a dívida nos mercados de capitais, é preocupante, especialmente levando em conta as perspectivas econômicas cada vez mais sombrias para Angola. A economia continua muito dependente da China, que responde pela maior parte de suas exportações de petróleo como parte do pagamento de dívidas do país a Pequim. Enquanto isto, a economia global está a mostrar fortes sinais de desaceleração, com a demanda a cair na China. Além disto, a paralisação do governo dos EUA, agora recorde, desacelerará seriamente as previsões de crescimento para o país – alguns dizem que crescerá 0% este ano – indicando que os preços do petróleo não aumentarão numa projeção de um a dois anos. Isto terá repercussões na economia angolana e na sua incapacidade de gerar receita, esta poder ser a hora de substituir o seu conselheiro econômico, senhor presidente?

Angola e Moçambique: um ciclo de incompreensibilidade

Como dois países em desenvolvimento se envolvem continuamente em negócios bizarros que envolvem o exército

Apesar das economias em declínio e agitação civil, Angola e Moçambique continuam a ter empréstimos bancários substanciais e comprometem-se com contratos de negócios que levam a suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro. Nos últimos anos, no entanto, tais contratos envolveram particularmente o ramo militar de cada Estado.

Em Angola, a Simportex – uma empresa do exército que representa as Forças Armadas Angolanas – é um nome que surge continuamente, juntamente com o seu Presidente do Conselho de Administração, General Luís Manuel Pizarro.

Em setembro de 2018, o tenente-general Pizarro falou numa conferência onde disse que o orçamento alimentar do exército não era suficiente para a demanda, sendo suficiente apenas para um trimestre.

No entanto, apenas um ano antes, em outubro de 2017, vários empresários daquela indústria acusaram Pizarro de “defraudar e perverter” a rede de distribuição de alimentos para as Forças Armadas Angolanas.

Segundo eles, Pizarro havia beneficiado uma única empresa por premiação direta – a CAMARUF – em vez de assinar contratos com as dezenas de empresas com quem Simportex costumava lidar antes do general Pizarro se tornar seu presidente.

A CAMARUF pertence a um empresário libanês chamado Fidel, que é visto como figura de proa do General Hélder Vieira Dias, também conhecido como General “Kopelipa”. Com o monopólio pertencente a CAMARUF, há relatos de falta de fornecimento de alimentos e medicamentos em vários ramos das Forças Armadas Angolanas, incluindo a Unidade da Guarda Presidencial.

Ao não abastecer as forças armadas, o contrato assinado com a CAMARUF tem gerado grandes lucros para altos funcionários das Forças Armadas Angolanas, incluindo os dois generais. E para isso, junta-se uma soma de cinco milhões de Kwanzas ($ 16.000) por mês, um montante que simplesmente desaparece dos dados contabilísticos com a ajuda da empresa de consultoria GB.

Simportex, Pizarro e “Kopelipa” também estão envolvidos  noutro escândalo de contrato militar, quando um pedido foi feito a uma empresa italiana, em 2015. Em seguida, o presidente José Eduardo dos Santos assinou o documento que deu à Simportex o poder de estabelecer o negócio.

A Simportex encomendou seis helicópteros por US $ 100 milhões. Mas logo após a encomenda  foi alterada, com a aprovação oficial do general “Kopelipa”, então chefe da Casa de Segurança do Presidente da República.

Em vez do modelo original encomendado, a Simportex encomendou um mais antigo, que vale metade do valor, levantando a questão de onde estão os mais de US $ 50 milhões economizados com a mudança da encomenda

Embora estes dois exemplos dos negócios da Simportex sejam dos últimos anos, eles não são novos.

Já em 2009, a Simportex – então liderada pelo General Jacinto Cavunga – assinou um acordo com a multinacional francesa Thales Group e a Sadissa, uma empresa angolana criada pelo presidente da Sonangol Manuel Vicente e pelo embaixador de Angola na França, Miguel da Costa. O negócio valeu cerca de US $ 200 milhões, para o fornecimento de equipamentos de comunicação para o Exército Angolano.

O contrato sinalizou dois altos funcionários do Estado – Vicente e da Costa – um contrato público que enriqueceu a sua empresa privada, o que é proibido pela legislação angolana.

Mas negócios bizarros envolvendo os militares não se limitam apenas a Angola.

Em 2016, um escândalo eclodiu em Moçambique. Por trás de um contrato assinado com a francesa Constructions Mécaniques de Normandie (CMN) de Cherbourg, que pertence à Privinvest do bilionário franco-libanês Iskandar Safa, US $ 2 bilhões em empréstimos foram secretamente arrecadados para financiar um ambicioso programa marítimo. No entanto, três quartos desse montante desapareceram.

Começou em 2013 quando a Constructions Mécaniques de Normandie (CMN) assinou um contrato com uma desconhecida empresa pública moçambicana de atum chamada Ematum. O contrato valia US $ 230 milhões, para a entrega de 30 traineiras e barcos de patrulha. A Ematum um empréstimo de US $ 850 milhões em títulos com a garantia do Estado, sem informar o Parlamento.

Surgiram rapidamente suspeitas de que, por trás de uma atividade normal de pesca de atum, havia um acordo de armas.

Em 2016, novas revelações trouxeram à luz o que realmente aconteceu. Além da Ematum, outras duas empresas públicas estavam envolvidas: a Proindicus e a Mozambique Asset Management. Respectivamente, cada um emprestou US $ 622 milhões em 2013 e US $ 535 milhões em 2014, novamente garantidos pelo governo, para financiar a maquinação.

Reajustada, a dívida de Moçambique subiu de 86% em 2015 para 130% do PIB em 2016.

Essas três empresas foram dirigidas por Antonio do Rosado, que admitiu que tudo era fachada. Com o Credit Suisse e o banco russo VTB Capital a estruturar os empréstimos, a Privinvest forneceria embarcações militares, sistema de vigilância e estaleiros navais. Tudo parou quando o Credit Suisse decidiu lançar uma emissão de títulos públicos.

Mas dos US $ 2 bilhões acordados , ninguém pode explicar onde ou como US $ 1,5 bilhão foram gastos. Parece que todos os empréstimos foram pagos diretamente a Abu Dhabi Mar, uma subsidiária da Privinvest, sem sequer passar por Moçambique, sublinhando as suspeitas de apropriação indébita.

Antonio do Rosário, o ex-presidente Armando Guebuza, o ex-ministro das Finanças Manuel Chang e Filipe Nyusi, então ministro da Defesa e agora presidente de Moçambique, parecem estar envolvidos no escândalo, ao lado de Iskandar Sada que também assinou um acordo em Angola usando Construções Técnicas da Normandia (CMN).

Em 2016, as autoridades de defesa angolanas escolheram a Privinvest para encomendar 17 barcos de patrulhamento e interceptores curtos e longos por US $ 565 milhões, com o argumento de que essas embarcações seriam usadas para proteger as plataformas petrolíferas angolanas.

A Privinvest também declarou a construção de um estaleiro, em parceria com a já mencionada Simportex –

Há relatos do uso das forças militares de Estados soberanos para se engrenar em negócios que, muitas vezes, terminam com o desaparecimento de bilhões de dólares. É uma atividade que vem acontecendo há anos e décadas e que viola ou contorna muitas das leis estabelecidas.

Esses contratos envolvem continuamente as mesmas pessoas e as mesmas empresas, sem que ninguém seja condenado por qualquer crime ou mesmo processado. Pessoas e empresas estão a prosperar em países com economias em declínio e medidas de austeridade, e onde milhões de cidadãos estão a viver abaixo da linha da pobreza, levando à agitação social natural.

ANGOLA: O período de graça para João Lourenço acabou

Agora é a hora de ação efetiva

João Lourenço é o Presidente de Angola desde 26 de setembro de 2017. Cerca de um ano depois, fortaleceu o seu poder assumindo a presidência do MPLA – Movimento Popular de Libertação de Angola. Embora tenha reorganizado o governo, substituindo por exemplo o ministro dos transportes, e o vice-presidente Manuel Vicente, a maioria dos outros cargos do ministério não mudou desde o governo anterior.

Apesar das promessas de diversificar a economia e combater a corrupção, que ele mesmo descreveu como um flagelo para a sociedade, as suas ações até agora parecem contraditórias com as suas intenções e declarações publicamente expressas no passado e no presente.

Lourenço herdou uma situação económica difícil, caracterizada por uma escassez de moeda estrangeira, particularmente do dólar americano, e a contínua desvalorização do kwanza em 40 por cento em relação ao dólar em 2018. Além disso, a inflação oscilou entre 30 por cento e deve continuar a aumentar.

Os problemas econômicos de Angola começaram em 2014, quando os preços globais do petróleo caíram e prejudicaram severamente a capacidade do governo de gerar receita económica. Angola depende do petróleo em 75 por cento das receitas do governo e 90 por cento das exportações. Essa dependência excessiva do setor de hidrocarbonetos deixou o país vulnerável aos choques econômicos, colocando o mesmo numa posição potencialmente irrecuperável.

A resposta está na diversificação económica, mas a execução de uma estratégia e de um plano nunca se materializou na administração anterior. O principal plano da campanha eleitoral de Lourenço centrou-se na redução da dependência do sector de hidrocarbonetos de Angola e na criação de novas fontes de receita a partir dos recursos existentes ou no desenvolvimento de novos. A diversificação foi também uma condição fundamental para que o Fundo Monetário Internacional (FMI) concordasse com um fundo estendido de três anos para Angola no valor de USD3.7 mil milhões, anunciado em 7 de dezembro de 2018; USD990 milhões seriam imediatamente desembolsados. A outra condição é de acabar com a corrupção, incluindo suborno e lavagem de dinheiro. 

Diversificação económica: uma prioridade urgente

Angola está em necessidade “desesperada” de dinheiro e, portanto, Lourenço está a procura de um programa ambicioso de investimentos para desenvolver a agricultura, e os ativos turísticos e minerais do pais. Por exemplo, o governo planeia investir US $ 230 milhões em todo o país nos próximos seis anos para apoiar o seu Projeto de Desenvolvimento da Agricultura Comercial, uma iniciativa de desenvolvimento lançada em dezembro passado que tem como objectivo comercializar o setor agrícola. Mais de US $ 77 milhões já haviam sido investidos em tais projetos em todo o país no final de 2018.

Grandes empresas petrolíferas, como a BP do Reino Unido, a Total, e o gigante norte-americana do petróleo ExxonMobil, também assinaram memorandos de entendimento com a petrolífera estatal Sonangol para desenvolver novas operações petrolíferas em águas profundas. No entanto, o montante dos investimentos ainda não foi divulgado.

Uma grande parte do dinheiro para os novos investimentos parece ser garantido pelo governo. Contra o pano de fundo de uma perspetiva econômica fraca, juntamente com os preços do petróleo bruto que esta abaixo dos níveis com os quais o governo contava – embora os preços do petróleo Brent tenham se recuperado no início deste ano devido ao corte de produção acordado pelos países membros da OPEP – Angola terá que recorrer a mais empréstimos. A regularização da sua dívida por meio da emissão de US $ 5 bilhões em títulos denominados em euro e dólar, provavelmente explica a redução do deficit fiscal, uma vez que os vencimentos foram estendidos a médio prazo. No entanto, a dívida em relação ao PIB manteve-se em 90% no final de 2018, o que significa que serão necessários mais empréstimos comerciais para financiar o ambicioso programa de investimento e continuarão a prejudicar as perspetivas de crescimento econômico, principalmente porque a China é a maior compradora do petróleo de Angola. 

Enquanto isso, Angola deve muito dinheiro a Pequim. Os números oficiais estimam  que rondava os US $ 23 bilhões no ano passado, mas devido à falta de dados exatos, esse número pode ser muito maior. Além disso, como grande parte dessa dívida com a China foi garantida por meio de acordos de troca de petróleo, é provável que o aumento da volatilidade nos preços do petróleo volte a gerar mais problemas financeiros para o governo. Os investidores estrangeiros também se devem preocupar, já que o crescente endividamento prejudicará a capacidade do governo de honrar os seus pagamentos da dívida e a capacidade de liberar recursos financeiros, por exemplo, para pagar projetos ou os salários dos seus funcionários públicos.

Anticorrupção

Lourenço também se comprometeu a eliminar a corrupção, que ele descreveu como um “flagelo para a sociedade”. Os observadores internacionais ficaram positivamente surpresos quando ele despediu os filhos do ex-presidente dos Santos de cargos-chave dentro da empresa petrolífera estatal, Sonangol, e do fundo soberano de Angola, FSDEA. José Filomeno, filho do ex-presidente e ex-chefe do FSDEA, e seu aliado de negócios, o suíço-angolano Jean-Claude Bastos de Morais, foram presos em setembro de 2018 sob acusações de terem conspirado defraudar o Estado em múltiplas jurisdições, sendo na Suíça e no Reino Unido. Ambos negaram a infração. Autoridades nas Ilhas Maurício, Suíça e Reino Unido congelaram seus ativos, enquanto as investigações estavam em curso. No entanto, o Tribunal Comercial de Londres, que faz parte da Corte Suprema suspendeu a ordem de congelamento devido ao que afirmou haverem falhas processuais graves na reclamação original.

Porem, e baseando-se no reconhecimento de que a corrupção foi conduzida com impunidade sob a administração anterior, o governo de Lourenço em maio do ano passado adotou uma lei de amnistia para o repatriamento voluntário de fundos estaduais roubados que haviam sido transferidos para o exterior. A verdadeira extensão do problema de corrupção de Angola não é clara, mas as autoridades tanto em Angola como nos EUA indicaram que perto de 30 mil milhões de dólares em dinheiro obtido ilicitamente do estado estão a ser detidos em contas offshore. Mas a lei de amnistia, que expirou em dezembro, parece ter atraído pouco interesse, de acordo com os praticantes legais, poucos realmente repatriaram o dinheiro. O governo prometeu agora perseguir coercivamente aqueles que roubaram fundos públicos e os esconderam no estrangeiro. 

A capacidade de Angola para fazer isso continua a ser duvidosa. A repatriação de ativos financeiros também dependerá da disposição dos bancos no estrangeiro de transferir o dinheiro de volta. O aperto da legislação contra lavagem de dinheiro em todo o mundo tornará os bancos comerciais – especialmente os dos países da OCDE – mais opostos a jurisdições de alto risco como Angola, diminuindo a eficácia da lei. Desde que o ‘de-risking’ do setor bancário de Angola ocorreu após o colapso do Banco Espírito Santo em Portugal – em parte devido ao crédito tóxico em sua subsidiária angolana – quase nenhum banco ocidental retomou as relações de correspondentes bancários para transações em dólares, o que explica muitos dos atuais problemas de Angola. Mas, o setor financeiro de Angola dependente do petróleo estar altamente dolarizado, os correspondentes bancários também são essenciais para repatriar os fundos roubados, colocando em dúvida o provável sucesso das políticas de Lourenço. Os seus conselheiros devem estar cientes disso.

A restauração da confiança depende da capacidade do governo para reformar o setor financeiro, que permanece concentrado em torno de algumas pessoas politicamente expostas, entre os acionistas dos bancos angolanos; dos 27 bancos comerciais registados no Banco Nacional de Angola – o banco central e o regulador do sector – cinco controlam mais de 80 por cento do total dos ativos, depósitos e empréstimos bancários. Além disso, o sector bancário é altamente centralizado, com a grande maioria dos angolanos e pequenas e médias empresas incapazes de aceder ao crédito formal. Em vez disso, a maior parte do crédito dado pelos bancos angolanos vai para algumas centenas de investidores escolhidos. Dado que a diversificação é uma prioridade da presidência de Lourenço, sua capacidade de reestruturar também o setor financeiro vai ser fundamental.

De reformista ao retorno aos velhos hábitos

As novas políticas do governo atraíram muitas manchetes da media, mas o próprio comportamento de Lourenço durante o seu primeiro ano no cargo também apresenta uma contradição e um confronto das suas palavras. Começou com gastos generosos durante uma visita de estado à Europa, onde a delegação angolana assinou vários projetos de desenvolvimento agrícola com financiadores franceses, entre outros. De acordo com os relatórios do site de notícias Maka Angola, a delegação angolana entrou num festim de gastos, alugando pelo menos três aeronaves, incluindo um avião privado VIP Boeing 787, um Boeing 737 e um jato executivo Gulfstream. Segundo a empresa de leasing, o Boeing 787 custou US $ 74.000 de aluguer por hora . Não é preciso dizer que esse tipo de gasto não combina bem com as promessas de Lourenço e a sua narrativa de ser uma pessoa modesta.

Outros apontaram para a propriedade imobiliária da família Lourenço na cidade de Bethesda, Maryland, Estados Unidos. Um relatório do jornal americano The Washington Post citando registros públicos disse que a propriedade foi comprada em 2013 por US $ 1,7 milhão pela família Lourenço. Embora não seja ilegal para os angolanos possuirem propriedades no exterior como residência principal, tais revelações provavelmente alimentam suspeitas sobre as verdadeiras intenções do presidente.

Mais questões emergem sobre o posicionamento de Lourenço em relação ao ex-vice-presidente Manuel Vicente, que os procuradores portugueses acusaram em 2017 de subornar o procurador-geral do país em 2011. Lourenço recusou-se a reconhecer a competência das autoridades portuguesas para julgar Vicente e criticou as acusações como “interferência” pela antiga potência colonial. Foi acordado que Vicente seria julgado em Angola. Isso nunca ocorreu. Embora Vicente tenha sido afastado da liderança do MPLA, ele continua a ser um homem de negócios influente em Angola e no estrangeiro. 

Uma outra tendência preocupante é o potencial nepotismo e conflitos de interesse, inclusive dentro das forças armadas. Em abril de 2018, o presidente promoveu seu irmão – o general Sequeira João Lourenço – como vice-chefe do Gabinete de Inteligência do Presidente, que supervisiona os militares, a polícia e os serviços de inteligência. Dois meses antes, alegadamente ele vendeu uma aeronave estatal à empresa de aviação do seu irmão – a SJL Aeronáutica – sem um concurso público e a um preço não revelado.

Mas não termina aí. Os seus planos para expandir o orçamento militar devem soar alguns alarmes. Embora já tenha um dos maiores orçamentos militares do continente, Lourenço pretende expandi-lo ainda mais. Um dos motivos levantados tem sido o combate à pirataria, já que Angola está a procurar expandir as suas operações de produção de petróleo em mar e modernizar as suas capacidades navais. Isso garantiria a segurança de tais operações contra essas ameaças; isto apesar de Angola ter sofrido quase nenhum desses ataques nas suas águas nos últimos anos. Embora os números oficiais indiquem que o orçamento militar de Angola caiu pela metade entre 2014 e 2017, o think-tank Sipri, com sede na Suécia, observou que é difícil encontrar estimativas de despesas militares reais em toda a África Subsaariana. Apesar do declínio, em setembro de 2016, a Privinvest Group, com sede no Médio Oriente, anunciou no seu site que forneceria embarcações navais à marinha angolana e construiria uma instalação de construção naval junto com um parceiro sediado em Londres.

Por volta dessa mesma época, foi revelado que a Privinvest tinha assinado contratos para fornecer navios a Moçambique que nunca foram entregues. O acordo, juntamente com outros dois, deixou Moçambique com uma conta de 2,1 mil milhões de dólares – mais do que a dívida nacional total da época. Em 29 de dezembro, a polícia da África do Sul prendeu Manuel Chang, ministro das Finanças de Moçambique quando os acordos com a Privinvest foram assinados, por suspeita de fraude relacionada com esse mesmo acordo. Isto seguiu-se a uma denúncia do tribunal distrital de Nova York, que levou à prisão de Jean Boustani, executivo da Privinvest. Três ex-banqueiros do banco suíço Credit Suisse e mais uma dúzia também foram indiciados por envolvimento no esquema.

Embora a Privinvest não tenha sido a única empresa envolvida com o inflacionamento da dívida de Moçambique para níveis astronômicos, a empresa enfrentou resistência em outros paises como a Nigéria; O relatório África revelou em junho de 2018 que o ministro das Finanças da Nigéria em 2014 se recusou a aceitar uma proposta de investimento de US $ 2 bilhões da Privinvest depois de ter ficado claro que a Nigéria teria que fornecer a maioria das garantias para os empréstimos; Supostamente a Privinvest propôs assumir o controle de um estaleiro abandonado da marinha nigeriana e restaurá-lo. Que Angola tenha assinado um acordo com o Privinest sob o comando de Lourenço – ele era ministro da Defesa na época – pode, portanto, também preocupar os investidores, especialmente porque o governo nunca confirmou esse investimento. Além disso, em maio de 2018, o Credit Suisse anunciou um empréstimo de US $ 700 milhões a Angola.

Conclusão: As Pegadas de Napoleão 

Se Lourenço leva a sério a erradicação da corrupção, ele deve ter cuidado com quem lida e como isso pode parecer para o exterior. Até agora, o seu scorecard de defesa, os seus gastos generosos, o apoio a Vicente e os compromissos familiares só podem minar a sua credibilidade. Também é preocupante que as mais altas hierarquias do MPLA e de toda a elite governante de Angola permaneçam intactas, deixando só algumas mudanças cosméticas no Bureau Político – o órgão máximo do MPLA. 

A adoção de políticas que de fato, são condições prováveis ​​impostas por financiadores internacionais como o FMI, mas que, na realidade, provavelmente não produzirão qualquer mudança de comportamento, não apenas coloca em risco o seu próprio histórico, mas também a reputação de todo o país. Além disso, a falta de condenações criminais de ex-altos funcionários – não apenas da família do ex-presidente, mas também de outros quadros do alto escalão do MPLA – sugere que seu comportamento não mudará. Ou as autoridades estão a atrasar deliberadamente os processos para obter alguma boa vontade inicial dos investidores estrangeiros, ou o sistema é tão lento que nenhuma condenação servirá para impedir futuros comportamentos corruptos. O resultado final é que os investidores e financiadores estrangeiros que se dedicam a Angola estão a assumir consideráveis ​​riscos legais e de cumplicidade. Damos ao “novo” presidente o benefício da dúvida pode ter sido válido pelo seu primeiro ano, mas a falta de progresso deve conduzi-lo a adotar uma abordagem mais cautelosa. Assim como Napoleão na Fazenda Animal de George Orwell que prometeu uma maneira totalmente nova de governar, mas uma vez no poder ele rapidamente adotou os mesmos hábitos de seu ex-mordomo.

Fim

A Nossa Missão


A missão da Verdade Portuguesa é fazer parte do cotidiano das pessoas, informá-las com a verdade.

Vamos estar em todos os lugares, onde houver o interesse popular, e levaremos as informações, sempre contando a verdade e ouvindo todos os lados.  Defenderemos a pluralidade e a igualdade, ou seja, o que for melhor para todo mundo.

Nosso objetivo é mostrar um trabalho informativo diferenciado e inovador, com uma linguagem simples.

Seja qual for o caso, seremos fiéis aos nossos princípios, que é dar a notícia de tudo, pois acreditamos que um cidadão informado é um cidadão consciente.